FUTEBOL URUGUAYO:

'' É uma religião nacional. A única que não tem ateu. Somos poucos: 3,5 milhões de uruguayos. É menos gente do que um bairro de São Paulo. É um país minúsculo. Mas todos futebolizados. Temos um dever de gratidão com o futebol. O Uruguay foi colocado no mapa mundial a partir do bicampeonato olímpico de 1924 e 1928, pelo futebol. Ninguém nos conhecia.

O futebol uruguayo é o melhor? Não. No mundo guiado pelas leis do lucro, onde o melhor é quem ganha mais, eu quero ser o pior. Não poderíamos sequer cometer o desagradável pecado da arrogância. Seria ridículo para um país pequeno como o nosso. Não somos importantes, o que é bom. Neste mundo de compra e venda, se você é muito importante vira mercadoria. Está bom assim.

Como explicar Uruguay?.... Somos um pouco inexplicáveis. Aí é que está a graça".

EDUARDO GALEANO - Escritor

quarta-feira

JOGADOR URUGUAIO PEDRO ROCHA

Pedro Virgilio Rocha Franchetti (Salto3 de dezembro de 1942) é um ex-futebolista uruguaio.
Rocha teve um desempenho brilhante vestindo a camisa do Peñarol, acumulando títulos da Libertadores e do Mundial Interclubes, além de campeonatos uruguaios.

Em 1971, transfere-se para o São Paulo, onde permanece até 1977, quando sai com 34 anos de idade. No Brasil, ficou mais conhecido por prenome e sobrenome, "Pedro Rocha". Nesse meio tempo, Verdugo (um de seus apelidos, já que misturava a raça uruguaia e uma enorme habilidade com a bola), ajudou o São Paulo a chegar a dois títulos estaduais, em 1971 e 1975 e também chegou a ganhar o campeonato Nacional brasileiro pelo mesmo São Paulo em 1977.
Pelo tricolor paulista, atuou 375 vezes, marcando 113 gols. Também jogou em outros clubes do futebol brasileiro, como CoritibaPalmeiras e Bangu antes de encerrar a carreira, em meados da década de 1980 quando atuava pelo Al-Nasar (Arábia Saudita).
Foi artilheiro do campeonato brasileiro em 1972 pelo São Paulo com 17 gols dividindo a artilharia com Dario, do Atlético Mineiro.
Também é lembrado pela admiração que Pelé tinha por seu futebol. Em sua opinião, Pedro Rocha era um dos cinco melhores jogadores do mundo. Atualmente, com 67 anos de idade, Pedro Rocha vive um drama. Sofrendo de atrofia do mesencéfalo, um mal que afeta os seus movimentos e a fala, mas não a compreensão e a memória, o ex-jogador passa os dias em casa, na companhia da mulher, Mabel, fazendo fisioterapia e recebendo assistência médica.




Campéon Copa Libertadores 1961 e 1966


Campeón del Mundo 1961 e 1966

DistinciónAño
Goleador del Campeonato Uruguayo196319651968
Goleador de las Clasificatorias Sudamericanas1965
Mejor jugador de la Copa América1967
Goleador de la Supercopa de Campeones Intercontinentales19681969
Goleador del Campeonato Brasileño1972
Goleador de la Copa Libertadores1974
Campeón de la Supercopa de Campeones Intercontinentales