FUTEBOL URUGUAYO:

'' É uma religião nacional. A única que não tem ateu. Somos poucos: 3,5 milhões de uruguayos. É menos gente do que um bairro de São Paulo. É um país minúsculo. Mas todos futebolizados. Temos um dever de gratidão com o futebol. O Uruguay foi colocado no mapa mundial a partir do bicampeonato olímpico de 1924 e 1928, pelo futebol. Ninguém nos conhecia.

O futebol uruguayo é o melhor? Não. No mundo guiado pelas leis do lucro, onde o melhor é quem ganha mais, eu quero ser o pior. Não poderíamos sequer cometer o desagradável pecado da arrogância. Seria ridículo para um país pequeno como o nosso. Não somos importantes, o que é bom. Neste mundo de compra e venda, se você é muito importante vira mercadoria. Está bom assim.

Como explicar Uruguay?.... Somos um pouco inexplicáveis. Aí é que está a graça".

EDUARDO GALEANO - Escritor

sexta-feira

JUGADOR URUGUAYO RÚBEN MORÁN

Rubén Morán (6 de agosto de 1930 - 3 de janeiro de 1978) foi um futebolista uruguaio.
Era o ponta-esquerda que disputou a partida decisiva da Copa do Mundo FIFA de 1950 contra os brasileiros, com duzentos mil espectadores no Maracanã, em 16 de julho de 1950. Morán era reserva, sendo escalado justamente naquele jogo, no lugar do titular Ernesto Vidal, que havia se contundido.
Atuava no Cerro um pequeno clube montevideano, mas que passava por um bom momento no futebol uruguaio daquela época , tanto que cedeu à seleção uruguaia além de Morán o titular Matías González. Também defendeu a Celeste Olímpica na Copa América de 1953, realizada em Lima.

CAMPEÓN MUNDIAL 1950