FUTEBOL URUGUAYO:

'' É uma religião nacional. A única que não tem ateu. Somos poucos: 3,5 milhões de uruguayos. É menos gente do que um bairro de São Paulo. É um país minúsculo. Mas todos futebolizados. Temos um dever de gratidão com o futebol. O Uruguay foi colocado no mapa mundial a partir do bicampeonato olímpico de 1924 e 1928, pelo futebol. Ninguém nos conhecia.

O futebol uruguayo é o melhor? Não. No mundo guiado pelas leis do lucro, onde o melhor é quem ganha mais, eu quero ser o pior. Não poderíamos sequer cometer o desagradável pecado da arrogância. Seria ridículo para um país pequeno como o nosso. Não somos importantes, o que é bom. Neste mundo de compra e venda, se você é muito importante vira mercadoria. Está bom assim.

Como explicar Uruguay?.... Somos um pouco inexplicáveis. Aí é que está a graça".

EDUARDO GALEANO - Escritor

terça-feira

JOGADOR URUGUAYO ROBERTO CLAUDIO MILAR DECUADRA

Roberto Claudio Milar Decuadra, mais conhecido como Claudio Milar (Chuy,6 de abril de 1974 — Canguçu15 de janeiro de 2009), foi um futebolista uruguaio que atuava como atacante.
Começou a carreira em um dos grandes times uruguaios, o Nacional. Na época, chegou a defender a Seleção Uruguaia sub-20, mas não vingou muito na terra natal. Após transferir-se para o pequeno clube argentino do Godoy Cruz, jamais voltaria ao futebol do Uruguai. Do Godoy Cruz rumou para o Juventude, iniciando sua trajetória peregrina por times rivais do interior do Rio Grande do Sul: pouco depois, passaria a defender o outro time de Caxias do Sul, o Caxias.
Milar, todavia, desenvolveria maior identidade com o Brasil de Pelotas. Porém, até chegar ao clube, passaria rapidamente pela Portuguesa Santista, por dois rivais de RecifeSanta Cruz e Náutico, pela MatonenseBotafogo, e até pelo arquirrival Pelotas, além de pequenos times do exterior.
A primeira de suas três passagens pelo Brasil deu-se em 2003. Com o tempo, foi se tornando um dos maiores ídolos da torcida Xavante, marcando no total mais de 100 gols pelo time e conquistando o Campeonato Gaúcho da Segunda Divisãode 2004, no qual se tornou o maior artilheiro da história do certame, com 33 gols marcados.
Claudio Milar morreu aos 34 anos na cidade de Canguçu, em 15 de janeiro de2009, às 23 horas e 40 minutos, em um acidente com o ônibus em que viajava junto com a equipe do Brasil de Pelotas.
Milar morava em Pelotas e deixou a esposa Carolina e o filho Agustín.